Dialogando

Página Inicial > Dialogando > Transformações da adolescência: o acompanhamento da família e o papel da escola
Notícia 17/09/2018

Transformações da adolescência: o acompanhamento da família e o papel da escola

  • admin
  • Por Colégio Integral

No período da adolescência, as mudanças nas relações interpessoais, nos valores e no comportamento são muito corriqueiras. Essas mudanças têm o contexto econômico e social no qual o adolescente está inserido, como base. Sãos fatores que têm grande influência sobre o desenvolvimento da identidade e do comportamento do indivíduo.

Quando todos se dão conta, o corpo de criança já não mais existe, o modo de brincar já se modificou, os pais que antes tinham respostas e soluções para tudo, já não são mais tão perfeitos. Isso tudo acontece simultaneamente a uma revolução hormonal do corpo, em que o funcionamento do cérebro passa por modificações, e as relações sociais, com os professores e com os pais passam por um redesenho.

Se nos primeiros anos de vida a maioria das crenças e valores que norteavam as atividades da criança eram transmitidas pelos pais. Durante a adolescência, o indivíduo adota valores próprios, revendo suas visões de mundo e passando a considerar mais alternativas de futuro.

Para lidar com tudo isso, a família precisa do apoio de uma escola bem estruturada, que conheça o seu papel, que é fundamental nesse processo.

É necessário que, durante a adolescência, o jovem tenha instrumentos internos para lidar com todas as transformações pelas quais ele está passando. Ele precisará ser estimulado a desenvolver habilidades como o autocontrole, o autoconhecimento e a capacidade de lidar bem com as alterações de humor, que fazem parte dessa fase da vida.

Nesse contexto, a importância da escola cresce e a instituição deve estar preparada com profissionais qualificados e preparados para pôr em prática a educação socioemocional.

A escola precisa ir além do desenvolvimento das habilidades cognitivas, da inteligência e de transmitir conteúdos. Ela tem o dever de orientar o aluno a desenvolver suas relações humanas, a se autoconhecer e a se relacionar.

É preciso entender as necessidades do adolescente, o que é bem diferente de atender às vontades do adolescente. O crucial é compreender o que ele necessita que tipo de limites e quais estímulos podem conduzi-lo ao aprofundamento do autoconhecimento, do aprendizado de como tomar decisões mais acertadas com os outros e com ele mesmo.

Escola e família precisam estar unidas, em harmonia com o propósito de orientar os adolescentes a lidar bem com todas as situações desafiadoras que são inerentes a essa fase da vida.